saber comer, as regras de ouro

Coma comida! É assim que Michael Pollan, professor da Universidade de Brerkeley e um dos jornalistas científicos mais premiados desde século, inicia seu livro que contém 64 regras de ouro para se aprender comer bem.

A simplicidade com que Pollan descreve as regras é formidável. Nada de receitas complexas e mirabolantes. Ele vai direto ao ponto e seu texto consegue alcançar o leitor, mostrando que uma boa alimentação é um processo contínuo e passa necessariamente pela geração de uma sabedoria alimentar, que deve ser cultivada e transmitida de pai para filho.

Ao indicar que devemos comer comida, o autor faz referência aos 17 mil novos produtos que chegam as prateleiras anualmente nos supermercados, com intuito de disputar nosso orçamento alimentar. Sendo, esse o primeiro passo para a boa alimentação: saber identificar o que é comida de verdade entre todos os produtos industrializados criados por cientistas alimentares, à base de muitos aditivos químicos, altamente processados e que fazem muito mal à saúde.

Entre dezenas de excelentes dicas de boa alimentação encontradas no livro, uma em especial chamou minha atenção e reforça ainda mais a importância de saber diferenciar o que é comida de verdade: Não coma nada que sua bisavó não achasse que era comida.” Com essa regra, Pollan, nos convida a imaginar nossa bisavó andando pelos corredores do supermercado e pegando uma embalagem de iorgurte GO-GURT e sem fazer idéia do que é aquele cilindro de gel colorido com sabores: – É comida ou pasta de dentes? – Questionaria a vovozinha.

Evite produtos alimentares com mais de cinco ingredientes, e ainda: Evite produtos alimentares que uma criança do terceiro ano não consiga pronunciar. O autor não é inflexível e deixa a critério do leitor definir o número de ingredientes, mas é catedrático ao afirmar: Quanto mais ingrediente tiver um alimento embalado, mais altamente processado ele será.  Junta-se à essa lista, outras preciosidades, tais como: Se tem o mesmo nome em todas as línguas não é comida (lembre-se do Big Mac, dos Cheetos ou da Pringles).

Pollan, ainda sugere o tipo de comida devemos comer: Coma cores! Esse conselho eu já conhecia, de uma outra forma, através de uma nutricionista que me ajudou a livrar de uma gastrite desagradável e de um longo tratamento com um gastro que nunca tinha fim. Melissa Bonesi, sugeria sempre que devemos comer no almoço pelo menos cinco cores. Para garantir que estava tudo entendido e contratado, no final ela arguia: Cite exemplos de alimentos brancos, verde-claro, verde-escuro, vermelho, laranja, amarelo.  Essa é a garantia que estamos consumindo vitaminas e sais minerais que nosso organismo precisa, uma vez que as cores dos alimentos definem qual o grupo vitamínico eles podem nos oferecer, explicava ela.   Confirmo: funciona, pois na época desse acompanhamento nutricional, foi quando senti meu organismo com mais resistência e disposição.

E como devo comer? Pollan, tem muitas respostas e uma delas é: Pague mais coma menos: com a comida, tal como muitas outras coisas, o barato sai caro. É preciso levar em conta entre a qualidade e a quantidade; a experiência alimentar, a duração de uma refeição ou o prazer que se tira dela – não tem necessariamente a ver com o número de calorias consumidas. Fiquei pensando depois de ler essa regra: Séra que é por isso que hoje os sucos de frutas são mais caros que os refrigerantes?

O livro todo é um convite ao cuidar, ao dar importância ao que realmente importa e tudo é descrito de maneira simples como tudo que é bom na vida.

Recomendo: Saber Comer: as 64 regras de ouro – Michael Pollan –  Editora Lua de Papel – Leya

Anúncios

4 comentários sobre “saber comer, as regras de ouro

  1. Adriana
    O que o Michael escreveu no livro foi-me transmitido pelo meu pai desde pequenina, mas é sempre bom relembrar. Adorei e achei importante as frases simples acessíveis a qualquer pessoa e este seu post também.
    Um beijo

  2. Angela, Pollan também descreveu duas regras ótimas: 64 – Quebre as regras de vez em quando: a obsessão pelas regras alimentares faz mal à felicidade e possivelmente à saúde. 60- Guloseimas e petiscos só em dia de festa… desde que nem todos os dias sejam dias de festa…rs.. Beijocas, Adriana.

  3. Muito bom ! Acontece que tenho quebrado a regra sempre e no ultimo mes, comi tanto que engordei 2,5kg.
    Vou tentar seguir algumas dessas dicas e conto o resultado aqui… rs
    bj

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s